27 junho 2014

[RESENHA] O Salmão da dúvida.

   

    
  Sinopse:Douglas Adams mudou a cara da ficção científica com a série interplanetária O Mochileiro das Galáxias. Infelizmente, ele fez sua própria viagem para além da Terra cedo demais, deixando milhares de fãs órfãos. Agora mais uma vez os leitores vão poder se deleitar com a sagacidade desse grande autor. 

Reunindo textos encontrados no computador de Adams após sua morte, este livro traz uma coletânea de histórias, resenhas, artigos e ensaios inéditos, além de oferecer um retrato raro da personalidade do homem por trás da obra: a devoção aos Beatles, o ateísmo radical, o entusiasmo pela tecnologia, a luta obstinada pelos animais em vias de extinção. 

Mistura de homenagem póstuma ao autor com último presente a seus fãs, O salmão da dúvida é profundo, excêntrico, provocante e divertido. Entre arraias-jamantas, alienígenas de duas cabeças, teorias quânticas e sinfonias de Bach, você vai encontrar: 

• Dez capítulos do livro em que ele trabalhava quando morreu.
• Um ensaio filosófico questionando a existência de Deus.
• Comentários sobre a constante evolução da tecnologia.
• Um conto protagonizado por Zaphod Beeblebrox.
• Relatos sobre sua infância, seus traumas e seu nariz.

    E ai gente? Bom,quem leu sobre o autor da semana que foi o Douglas Adams,deve ta lembrado que eu citei o livro "O Salmão da dúvida",pois é gente,essa semana foi do Douglas aqui no blog! (Nem deu pra perceber que eu sou fã rs)

      Pois bem,o livro O Salmão da dúvida,é uma reunião de material encontrado do HD de Douglas,material que jamais havia sido publicado por ele e que só veio á tona agora,esse livro foi lançado recentemente aqui no Brasil,mas ele já havia sido lançado em outros países.


   O livro é uma mistura de biografia,com histórias aleatórias vividas e contadas pelo próprio Douglas Adams,fora as entrevistas concedidas por ele para várias publicações falando sobre vários assuntos,e também há as estórias,que no caso é o livro não terminado e um conto protagonizado pelo Zaphod Beeblebrox.


      A partir daí, a história perde a graça, porque um mês depois recebi minhas calças e fui aceito de volta nos círculos respeitáveis da sociedade. Mas não se engane, eu ainda carrego as cicatrizes dentro de mim – e, embora me esforce ao máximo para tomar o mundo pelas rédeas, escrevendo best--sellers e… (bem, é basicamente isso, para dizer a verdade), se em algum momento eu parecer desajustado, antissocial, triste e corcunda aleijado emocional (quando digo isso, estou pensando acima de tudo nas manhãs de domingo de fevereiro),a culpa é toda dessas quatro semanas em que fui obrigado a usar calças curtas em setembro de 1964.

      Eu pessoalmente,tenho a impressão de que se esse material fosse divulgado pelo próprio Douglas,obviamente não teria o mesmo significado,contudo o livro se tornou um grande presente para os fãs,principalmente para aqueles que só a obra dele,depois de sua morte.No livro é possível ter a visão dele sobre os assuntos que ele tanto entendia e gostava,e até mesmo uma visão de si mesmo e sua carreira,e o melhor disso tudo,é o tom de como tudo isso é contado,você tem a sensação de se tratar de textos que algum amigo seu escreveu sobre sí mesmo.
        

“A Austrália é como Jack Nicholson – ela para bem na sua frente e ri muito alto na sua cara, de forma altamente ameaçadora e criativa. Na verdade, é menos um país e mais uma espécie fina de camada de civilização semidelirante que vive ao redor de um vasto deserto, repleto de calor, poeira e criaturas saltitantes

     Mas,nem tudo são toalhas,o livro me causou também uma certa angústia e por quê não dizer tristeza? Era visível a paixão de Douglas pela vida e também era visível que ele tinha muitos planos para seu futuro,o que eu particularmente achei triste para alguém que teve uma partida tão repentina do nosso mundo.

“O tempo estava tão feio que mal merecia ser chamado de tempo, então Dirk resolveu chamá-lo de Stanley”

    Então galera,espero que tenham gostado e até a próxima! :D

19 junho 2014

E a culpa é mesmo das estrelas?

   Recentemente surgiu uma ''febre literária'' chamada a ''culpa é das estrelas'',não se pode ter dúvidas de que realmente o livro é um grande sucesso graças á grande comoção que ele causa em seu público,fazendo com que seus leitores se emocionem.Mas a questão é: Qual é a culpa do sucesso?




      O enredo a primeira vista é um tanto dramático;a história narrada é por Hazel portadora de uma grave doença que vê sua vida modificada quando começa a frequentar um grupo de apoio,lá ela conhece August,um rapaz bonito e carismático,mas que também possui uma grave doença.

     A partir dai,vemos o desenrolar de um romance que também envolve outros valores,como amizade verdadeira,a aceitação,o conflito e o aprendizado de conviver com a perda de quem realmente amamos (Spoiller?)




  Muitos dizem que a culpa do sucesso, é a comoção que a narrativa causa em seus leitores,outros dizem que a simplicidade e o carisma com qual a história é narrada, os conquistam.


    A questão que fica no ar é se o sucesso de ACEDE é resultado de uma boa obra literária realmente ou se trata apenas de uma febre juvenil, ou se a junção desses fatos é que provoca tal sucesso no mundo todo.

[RESENHA] As Crônicas de Nárnia

  

Sinopse: Viagens ao fim do mundo, criaturas fantásticas e batalhas épicas entre o bem e o mal - o que mais um leitor poderia querer de um livro? O livro que tem tudo isso é O leão, a feiticeira e o guarda-roupa, escrito em 1949 por Clive Staples Lewis. Mas Lewis não parou por aí, seis outros livros vieram depois e, juntos, ficaram conhecidos como As crônicas de Nárnia.


Nos últimos cinquenta anos, As crônicas de Nárnia transcenderam o gênero da fantasia para se tornar parte do cânone da literatura clássica. Cada um dos sete livros é uma obra-prima, atraindo o leitor para um mundo em que a magia encontra a realidade, e o resultado é um mundo ficcional que tem fascinado gerações.

Esta edição apresenta todas as sete crônicas integralmente, num único volume magnífico. Os livros são apresentados de acordo com a ordem de preferência de Lewis, cada capítulo com uma ilustração do artista original, Pauline Baynes. Enganosamente simples e direta, As crônicas de Nárnia continuam cativando os leitores com aventuras, personagens e fatos que falam a pessoas de todas as idades, mesmo cinquenta anos após terem sido publicadas pela primeira vez.

[RESENHA]


  Bem,galera...aqui estou eu com a segunda resenha do blog que é menos do que "As Crônicas de Nárnia"  -volume único,que a proposito vale bem mais á pena do que comprar toda a série separada,sem falar que é  a mais fácil de ser encontrada nas lojas


“Sabemos o que acontece quando uma pessoa tem esperança de obter uma coisa desesperadamente desejada; parece bom demais para ser verdade”


   De inicio é um tipo de leitura muito simples,com uma narrativa bem simplória e cômica,que a primeira coisa que vem á cabeça é que o livro trata-sede uma história exclusivamente para o publico infantil,á ponto de não ter vez com um publico mais velho.Contudo com o passar da história,a narração se mantém simples,porém a impressão de que o livro é entendiante para um publico mais velho,some por completo!

"Nárnia, Nárnia, desperte! Ame!Pense! Fale! Que as árvores caminhem!Que os animais falem! Que as águas sejam divinas!"

   Com o decorrer da história,percebemos o quão a história é magica,não só pelo seu conteúdo,mas também pelo fato de ser capaz de prender marmanjo em uma séries de histórias consideradas infantis e falando nisso,outro fator interessante e ver como as histórias ser interligam seja em maior ou em menor grau e com várias lições são passadas através de cada história presente no livro.

"Embora a prisão deles esteja unicamente em suas próprias mentes, eles continuam lá. E tem tanto medo de serem ludibriados de novo que não conseguem livrar-se."

   E assim no final dessa leitura,percebemos o quanto " "As Crônicas de Nárnia" é capaz de despertar nossa criança que por vezes fica tão escondida em nossa personalidade,e nos revelando a magia que sonhamos em nossas lembranças de infância ,nos lembrando que Nárnia realmente existe para todos que acreditam nela e que mesmo após 50 anos depois de sua publicação ainda é possível acreditar nesse mundo!

Nem tudo está perdido como parece… sabe, coisas extraordinárias só acontecem a pessoas extraordinárias, vai ver é um sinal que você tem um destino extraordinário, algum destino maior do que você pode ter imaginado.

18 junho 2014

[RESENHA] Como eu era antes de você

       Sinopse: Aos 26 anos, Louisa Clark não tem muitas ambições. Ela mora com os pais, a irmã mãe solteira, o sobrinho pequeno e um avô que precisa de cuidados constantes desde que sofreu um derrame. Além disso, trabalha como garçonete num café, um emprego que ela adora e que, apesar de não pagar muito, ajuda nas despesas. E namora Patrick, um triatleta que não parece interessado nela. Não que ela se importe.

        Quando o café fecha as portas, Lou se vê obrigada a procurar outro emprego. Sem muitas qualificações, a ex-garçonete consegue trabalho como cuidadora de um tetraplégico. Will Traynor, de 35 anos, é inteligente, rico e mal-humorado. Preso a uma cadeira de rodas depois de um acidente de moto, o antes ativo e esportivo Will desconta toda a sua amargura em quem estiver por perto e planeja dar um fim ao seu sofrimento. O que Will não sabe é que Lou está prestes a trazer cor a sua vida. E nenhum dos dois desconfia de que irá mudar para sempre a história um do outro

[RESENHA]

         Antes de mais nada,um aviso: Se não quer se emocionar,passe longe desse livro e quando eu digo "emocionar'',não me refiro somente ao ato de chorar,se sentir triste (claro que isso irá acontecer) me refiro ao ao ato de sentir a mesma emoção expressa pelos personagens.

Reparei que ele parecia determinado a não lembrar em nada com o homem que tinha sido; (...). Seus olhos cinzentos tinham marcas de cansaço, ou de desconforto que ele sentia o tempo todo (...). Eles levavam o olhar vazio de alguém que está sempre alguns passos afastado do mundo a seu redor. Às vezes, eu me perguntava se aquilo não era um mecanismo de defesa de Will, já que a única maneira que encontrou de lidar com sua vida foi fingir que não era com ele que aquelas coisas estavam acontecendo.
Pág 45



        O livro tem todos os ingredientes para se tornar uma história de amor impossível açucarada,daquelas de dar enjoos mostrando que com o amor tudo é possível,tudo se supera,porém não é bem isso que acontece,mesmo sendo uma leitura fácil,agradável o livro por vezes tem uma certa carga dramática se tornando mais envolvente ao leitor,tratando de assuntos delicados,como o "suicídio assistido" e até que ponto o amor nos move.


  Se você tivesse se preocupado em me perguntar, Clark. Se, por uma vez, tivesse me consultado sobre esse tal passeio ao ar livre, eu teria dito a você. Detesto cavalos e corrida de cavalos. Sempre detestei. Mas você não se preocupou em perguntar. Decidiu o que gostaria que eu fizesse e foi frente. Fez o que todo mundo faz. Decidiu por mim.Pág. 139



      Ele é narrado inteiramente na primeira pessoa por Louisa,mas há alguns capítulos narrados por outros personagens,nos proporcionando uma visão mais ampla sobre toda  a história que ocorre,é interessante ver que nenhum personagem é perfeito,mas que todos tem uma certa razão na estória que ocorre.


 Estou fazendo tudo o que posso, Louisa, para impedir essa... coisa. Sabe o que estamos enfrentando. E estou apenas dizendo que eu preferiria, uma vez que Will gosta de você, que você tivesse esperado mais um pouco para esfregar sua... felicidade na cara dele.  Como ousa sugerir que eu poderia fazer alguma coisa para magoar Will? Fiz tudo de tudo.  sibilei.  Fiz tudo em que pude pensar. Dei ideias, levei-o para passear, conversei com ele, li para ele, cuidei dele.  As últimas palavras explodiram do meu peito.  Arrumei as coisas dele. Troquei o maldito cateter. Fiz ele rir. Fiz mais do que a sua maldita família tinha feito.Pág. 212




      Um dos motivos que torna o romance tão interessante é sua realidade em tratar de assuntos que fazem parte da vida de todos,como a familia,as dificuldades tanto de relacionamento com o próximo ou financeira e por ai vai,mostrando que por mais que se tente,ou tenha meios,a vida não é perfeita para ninguém.


 (...). Ninguém quer ouvir você falar que está com medo, ou com dor, ou apavorado com a possibilidade de morrer por causa de alguma infecção aleatória e estúpida. Ninguém quer ouvir sobre como é saber que você nunca mais fará sexo, nunca mais comerá algo que você mesmo preparou, nunca vai segurar seu próprio filho nos braços. Ninguém quer saber que às vezes me sinto tão claustrofóbico estando nesta cadeira que tenho vontade de gritar feito louco só de pensar em passar mais um dia assim. (...).
Pág. 220

     Enfim,podemos dizer que"como eu era antes de você,se trata de uma literatura simples,porém emocionante e marcante,um tipo de leitura que podemos tirar lições e conhecimentos que se levam para toda uma vida.
  
imagem-fundo imagem-logo