28 junho 2017

A pressa de ser adulto

E a pressa de se tornar adulto foi substituída por uma nostalgia, quando nós imaginariamos que essa vida se tornaria tão difícil? Tudo isso era inevitável, mas o fato de desejarmos tanto crescer e ser adultos faz com que repensamos se nosso desejo não era tão precipitado.

   Olhando para trás, vejo que as urgências da nossa infância se tornaram coisas insignificantes para nós, elas foram substituídas por reclamações e pela pressão de sermos melhores e mais fortes,mesmo quando na verdade temos vontade de chorar,algo que no passado não era um sinal de fraqueza, mas sim de normalidade e ainda recebiamos como consolação, abraços e beijos e a garantia de que tudo iria melhorar e dar certo.


   Provavelmente nunca imaginariamos que teríamos que lidar com certas coisas que se tornaram corriqueiras, coisas que geralmente nos afligem até mesmo sem perceber,ninguém nunca explicou como seria difícil ser adulto,mas se dissessem, será que acreditariamos? Acho que não.

   E a ironia que vejo é que as crianças de hoje fazem isso de forma mais urgente,seja através da aparência ou atitude não condizentes com as suas idades, me pergunto se quando elas realmente atingirem seus objetivos,elas ficarão arrependidas.
  Peço que não me entenda mal,caro leitor, não acho que deveríamos ser crianças para sempre,só o que simplesmente questiono,é o porquê da pressa. Já que muitos de nós deixamos de ser uma criança feliz e despreocupada para sermos adultos angustiados e sempre preocupados.


  Mas que apesar de tudo,a felicidade nos alcance independentemente da idade!

21 junho 2017

[RESENHA]As coisas não são bem assim



Autor (a) Renata R.Corrêa
Editora: Pandorga
Número de Páginas: 135/páginas.
Ano de lançamento: 2017
 Sinopse:Clarice, uma jovem estudante de medicina, perde seu namorado, que acreditava ser o grande amor da sua vida, às vésperas de formatura, após sofrerem um grave acidente de carro. Morre com Guilherme um pouco da alegria de viver de Clarice, da sua esperança e do seu futuro. Depois de mais de um ano do falecimento de seu amado, o destino coloca na vida de Clarice, Henrique, um jovem advogado viúvo e pai de Duda, uma menininha loira, muito esperta e amorosa. Envolvidos por um sentimento sincero, terão que enfrentar grandes dificuldades e um sofrimento inesperado. É uma bonita e delicada história sobre recomeço, fé, esperança e sobre o poder do amor.



 Hey gente! É com grande prazer que venho resenhar mais um livro da autora Renata R. Corrêa, que é parceira aqui do blog,este é seu terceiro livro,sendo ele o segundo em versão fisica,publicado pela editora Pandorga.


     O que fazer quando você de repente se dá conta de que o tempo está passando e que a vida não é exatamente do jeito que você esperava que ela fosse?

   Nesse é possível perceber já um certo amadurecimento na escrita da renata,o que me surpreendeu de forma muito positiva! Aqui nem tudo são amores e flores,há mais do que isso,mas sem perder aquela leveza na narrativa que é muito característico da autora como já mencionei em resenhas anteriores, o que fez muita diferença especialmente nesse enredo.


" Difícil é enfrentarmos nossas próprias dores"

Aqui,logo de cara,a carga dramática é bem maior em comparação com seus antecessores, há uma profunda reflexão sobre como é perder alguém que se ama estando no auge da vida em plena flor da idade de forma tão repentina,os acontecimentos ocorrem de forma rápida, mas não deixa a sensação de que o leitor está perdendo algo,as coisas acontecem no tempo certo.


“Não estou procurando as coisas mais simples da vida! Querer me encontrar com você já diz tudo. Somos dois sobreviventes de tragédias da vida, isso poderia ser simples? Ou ao menos será que isso poderia dar certo?”

Mesmo com o drama a história é recheada de romance, daqueles que os leitores românticos irão adorar,há também uma mensagem sobre recomeços, especialmente no que se diz no amor, sempre é tempo de se encontrar e de encontrar alguém que nos faça realmente feliz.

Fui embora, mas já não era mais a mesma. Estava deixando um pouco de mim em Henrique e levando muito dele comigo.

 Enfim,"As coisas não são bem assim" é um livro sobre amor,perdas,mas também especialmente sobre bons recomeços.

13 junho 2017

[Resenhando contos] O vilarejo






Autor (a): Raphael Montes

Editora: Suma de letras

Número de Páginas: 109/páginas.

Ano de lançamento: 2015

 Sinopse:Em 1589, o padre e demonologista Peter Binsfeld fez a ligação de cada um dos pecados capitais a um demônio, supostamente responsável por invocar o mal nas pessoas. É a partir daí que Raphael Montes cria sete histórias situadas em um vilarejo isolado, apresentando a lenta degradação dos moradores do lugar, e pouco a pouco o próprio vilarejo vai sendo dizimado, maculado pela neve e pela fome.
As histórias podem ser lidas em qualquer ordem, sem prejuízo de sua compreensão, mas se relacionam de maneira complexa, de modo que ao término da leitura as narrativas convergem para uma única e surpreendente conclusão.



    Para começar, quero dizer que esse livro foi uma surpresa para mim em diversos sentidos,ao começar pelo grossura e seu número de páginas, bem abaixo do esperado por mim (não li nada sobre as especificações dele antes de comprar) passado disso,concluo que aquele ditado é certo,"tamanho não é documento" se encaixou perfeitamente nessa situação.
Ilustração do conto "Banquete para Anatole"


     Não bastasse essa surpresa, me deparou com as ilustrações maravilhosas de cada conto,o que só acrescenta na leitura e contribua para que ela seja mais fluida,o livro em si pode ser bem fino,mas seu conteúdo é bem denso,não é uma leitura que eu recomendaria á todos,principalmente aqueles de estômago sensível e aqueles que se impressionam fácil, e também não é muito legal o ler antes de dormir,vai por mim... Experiência própria!
Ilustração do conto "As irmãs Vália, Velma e Vonda"


      Um ponto interessante é que o próprio autor se inclui como espécie de personagem,assumindo o papel de tradutor do diário macabro que nos revela toda essa história, e também ele faz cada conto ter uma ligação com um demônio específico, como explica no livro,os sete reis do inferno, cada um representando um pecado capital,Asmodeus (luxúria),Belzebu(gula), Mannon(ganância), Belphegor(preguiça), Satan(ira),Leviathan(inveja) e Lúcifer (soberba).

Ilustração do conto "O porquinho de porcelana da Sra.Branka


       Há o detalhe que se pode ler os contos sem uma ordem específica e que todos estão interligados,e a forma que isso ocorre, obviamente se descobre no final da trama,o que na minha opinião não é tão surpreendente, mas deu aquele toque de mestre.
"O vilarejo" é o livro ideal para quem busca uma leitura mais pesada e acima de tudo,de boa qualidade

I
lustração do conto "um homem de muitos nomes"

imagem-fundo imagem-logo